sexta-feira, 12 de março de 2010

5...4...3...2...1...

Sempre tentei ser uma boa amiga. Acho que sempre tratei bem as pessoas imaginando que elas me tratariam bem também. Um lance de reciprocidade, entendem? Uma certeza.

Já falei aqui que confiança é um sentimento mútuo: se confio em alguém, é porque essa pessoa demonstra que confia em mim. Simples assim.

Mas aí sempre tem aquela pessoa que faz tudo ir pro lixo.

Quantas e quantas vezes vocês já não quebraram a cara com um amigo? E pior, quantas vezes já não descobriram que seu MELHOR amigo mentia pra você, se fazia de vítima e, na verdade, não se importa tanto contigo, e sim apenas com ele mesmo?


A decepção é quase como uma bomba relógio. É só você se dar conta que ela está ali, que pronto: tudo explode em questão de segundos.

E o que a gente faz? Saí correndo apavorado e deixa tudo largado, fica e tenta arrumar tudo, ou sai de fininho como se nada tivesse acontecido, e apenas se afasta e tenta esquecer?

Aquela frase “eu te avisei...” passou pela minha cabeça umas vinte e cinco vezes só hoje. O lance, então, é levantar a cabeça, sair de perto e deixar a bomba explodir sozinha. Porque ela vai explodir. Apesar do caos e de causar uma comoção geral, na hora em que explodir, ninguém vai mais nem lembrar dela. E a vida segue... como deve ser.

2 comentários:

Felípe Mars disse...

BOOOOOOOOOOOOOOOMMM!!
E ela explode... Sempre explode!
E pobre de quem estar por perto.

Rodrigo Gavião disse...

Decepção, uma das coisas mais chatas da vida.

O melhor é aprender a lidar com ela, pois ela acontece. Talvez possamos minimizá-la refletindo sobre os seus motivos: se eles estiveram ou não ao alcance das nossas mãos.

No fim, é bola para frente. Porque somos decepcionados e decepcionamos à outrem. Somos humanos.