sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Marcelo Tas em mais de 140 caracteres.
















Ontem tive o prazer de assistir a uma palestra do meu ídolo de infância (e grande inspiração profissional), Marcelo Tas. O que mais pareceu como uma conversa entre amigos, teve como tema “Inovação: a criatividade na era digital”, e fez parte do Congresso de Gestão de Pessoas ABRH – RS, o CONGREGARH.

E agora você se pergunta “Que diabos a Renuska estava fazendo em um evento voltado a administração?”. Obviamente, quando me falaram a respeito do evento, fiz questão de me inscrever (e também de pedir licença no trabalho para sair mais cedo, claro), pois durante toda a faculdade tive o Tas como uma espécie de “espelho” do tipo de jornalismo que deveria fazer depois de formada. Imaginem só, se eu tivesse 25% do talento que ele tem para televisão! Já estava feita!


O que mais me chamou atenção foi que aquela palestra poderia Ter sido realizada em qualquer lugar, em qualquer evento, mesmo tendo uma ênfase voltada a Empresas e Recursos Humanos. Acho que nunca vi uma pessoa tão a vontade em palco, dominando cada tópico tão bem, e sabendo interagir com a platéia de um jeito que ninguém sentia o tempo passar.

Marcelo Tas falou sobre sua infância, o impacto na tecnologia em nossas vidas, e também na dele. Usou exemplos pessoais, experiências próprias, aproximando cada vez mais os presentes a sua conversa.


O momento mais interessante foi quando ele resolveu falar sobre o Twitter. Eu certamente era uma das pessoas mais novas ali sentadas, e por isso foi engraçado ver o tipo de reação que os profissionais mais velhos tiveram durante este assunto. Os usuários do Twitter devem concordar comigo: É difícil demais explicar esse site pros outros! Sempre ficamos com cara de idiotas enquanto nos olham, dizendo “Nossa, mas que inútil!”. Mas ontem a coisa foi diferente. Tas usou tanta naturalidade e bom humor, que aposto que todos saíram dali com vontade de “arriscar a vida” em 140 caracteres.

Segundo ele, o Twitter é feito para ouvir, pois já falamos demais. As empresas já falaram demais, em propagandas em revistas, jornais e na TV. E por isso, devem buscar na ferramenta um lugar para escutar seus clientes, e descobrir o que podem mudar para melhorar.


Enfim. Definindo então minha tarde de Quinta-feira: Fantástica.


Uma pena ele estar atrasado, e Ter que sair correndo para o aeroporto. Marcelo Tas é uma daquelas pessoas fascinantes, que temos vontade de só olhar enquanto fala, sem parar, sem intervalos, e sem interrompermos uma só vez, de tanta magia que se cria no clima por decorrência de uma experiência profissional tão grande, e um talento absurdo. Talento esse que, por “culpa” da humildade, acaba se tornando cada vez mais encantador.



Por isso que, quando eu crescer, quero ser como ele.

Mas, se possível, com cabelo.


Um comentário:

raos X silver.astronaut disse...

eu queria MUITO ter ido! isso que eu não sou da administração nem do jornalismo, eu sou do DESIGN! quando eu falei que queria ir, aí sim me olharam como se eu fosse sei lá, um ET!
Mas eu queria ir por causa do Tas, por saber sobre todas as coisas que ele fala, e que com certeza não seria apenas sobre os temas base do congresso. Uma pena eu não ter podido ir, porque tinha o Anuário da ESPM na mesma data.
Espero que o Tas volte logo para mais congressos, seminários, palestras, enfim. E que, quando voltar, dêem mais folga em horário pra ele, pra que nós possamos falar com ele ao final do evento, que deve ser uma conversa excelente!