terça-feira, 13 de julho de 2010

Desapego (tentativa #25)

Não sei por que tento tanto. Não sei por que me importo tanto. Não sei por que vou atrás de quem faz de tudo pra se afastar.
Me sinto uma verdadeira idiota por passar boa parte dos meus dias tentando criar diálogos em vão. Você certamente nem se dá conta, você não vê. E eu sempre me decepciono, sempre me frustro por não vencer.
Parece que corro na tentativa de te alcançar, de salvar uma coisa que não existe, que nunca existiu. Eu quero, de todas as formas, que a gente possa ser o que fomos um dia. Queria voltar a preencher aquele lugar que um dia foi meu. A dor de não conseguir já tomou conta de mim e a verdade é que já não consigo mais. Meus músculos, paralisados, me impedem de seguir.

E aqui vou eu, pela quinta, sexta, sétima vez. Mais uma tentativa em vão, tomada pela dor da perda. Aquela reprise, a repetição dos meus atos, o replay que ninguém quer rever: me afasto e tento, de todas as formas, te tirar daqui.

E lá vou eu de novo.

2 comentários:

aluisa disse...

vei, meu twitter não tá funcionando, mas precisava comentar o comentário que o lucas fez na entrevista sua com ele. "é pós-graduada mas parece que tem 17 anos" hauahuahuahe, muito bom.

feio, né? deveria ter lido seu texto, mas... vou ler depois de comentar.

leleca disse...

tem uma poesia do leminski que explica bem:

ERRA UMA VEZ

nunca cometo o mesmo erro
duas vezes
já cometo duas três
quatro cinco seis
até esse erro aprender
que só o erro tem vez